Êxodo – Capítulo 37


1 Bezalel fez a arca com madeira de acácia, com um metro e dez centímetros de com­primento, setenta centímetros de largura e setenta centímetros de altura[81].
2 Revestiu-a de ouro puro, por dentro e por fora, e fez uma moldura de ouro ao seu redor.
3 Fundiu quatro argo­las de ouro para ela, prendendo-as a seus quatro pés, com duas argolas de um lado e duas do outro.
4 Depois fez varas de madeira de acácia, revestiu-as de ouro
5 e colocou-as nas argolas laterais da arca para que pudesse ser carregada.
6 Fez a tampa de ouro puro com um metro e dez centímetros de comprimento por setenta centímetros de largura.
7 Fez também dois querubins de ouro batido nas extremidades da tampa.
8 Fez ainda um querubim numa extremidade e o segundo na outra, formando uma só peça com a tampa.
9 Os querubins tinham as asas estendidas para cima, cobrindo com elas a tampa. Estavam de frente um para o outro, com o rosto voltado para a tampa.
10 Fez a mesa com madeira de acácia com noventa centímetros de comprimento, quarenta e cinco centímetros de largura e setenta centímetros de altura.
11 Revestiu-a de ouro puro e fez uma moldura de ouro ao seu redor.
12 Fez também ao seu redor uma borda com a largura de quatro dedos e uma moldura de ouro para essa borda.
13 Fun­diu quatro argolas de ouro para a mesa e prendeu-as nos quatro cantos, onde estavam os seus quatro pés.
14 As argolas foram presas próximas da borda, para que sustentassem as varas usadas para carregar a mesa.
15 Fez as varas para carregar a mesa de madeira de acácia, revestidas de ouro.
16 E de ouro puro fez os utensílios para a mesa: seus pratos e recipientes para incenso, as tigelas e as bacias nas quais se derramam as ofertas de bebidas[82].
17 Fez o candelabro de ouro puro e batido. O pedestal, a haste, as taças, as flores e os botões formavam com ele uma só peça.
18 Seis braços saíam do candelabro: três de um lado e três do outro.
19 Havia três taças com formato de flor de amêndoa, num dos braços, cada uma com botão e flor, e três taças com formato de flor de amêndoa no braço seguinte, cada uma com botão e flor. Assim era com os seis braços que saem do candelabro.
20 Na haste do candelabro havia quatro taças com formato de flor de amêndoa, cada uma com flor e botão.
21 Havia um botão debaixo de cada par dos seis braços que saíam do candelabro.
22 Os braços com seus botões formavam uma só peça com o candela­bro, tudo feito de ouro puro e batido.
23 Fez de ouro puro suas sete lâmpadas, seus cortadores de pavio e seus apagadores.
24 Com trinta e cinco quilos[83] de ouro puro fez o candelabro com seus botões e todos esses uten­sílios.
25 Fez ainda o altar do incenso de madeira de acácia. Era quadrado, com quarenta e cinco centímetros de cada lado e noventa centímetros de altura; suas pontas formavam com ele uma só peça.
26 Revestiu de ouro puro a parte superior, todos os lados e as pontas, e fez uma moldura de ouro ao seu redor.
27 Fez também duas argolas de ouro de cada lado do altar, abaixo da moldura, para sustentar as varas utilizadas para carregá-lo,
28 e usou madeira de acácia para fazer as varas e revestiu-as de ouro.
29 Fez ainda o óleo sagrado para as unções e o incenso puro e aromático, obra de perfumista.

Share this:

SOBRE O AUTOR

Paulo Matheus Souza de Souza nasceu em 1989, na cidade Porto Alegre. É engenheiro civil e trabalha com pesquisa na área. Começou a escrever cedo, junto com os irmãos, primos e amigos. Juntos, eles fundaram uma “editora”, chamada Scott, onde o que mais faziam basicamente histórias em quadrinhos. Com o tempo, o autor passou a escrever histórias mais longas, algumas até hoje inacabadas. Em 2008 começou a escrever contos e crônicas neste blog pessoal.

0 comentários: