As desventuras de amigo Menino - I

Escrita em 2005 - Porto Alegre/RS.

Prologo...

Numa bela, mas também diferente manhã, um amigo chamado Menino passeava pelo bosque perdido no Alaska. Neste lugar frio e quente ao mesmo tempo, o nosso amigo aventureiro feliz tinha no bolso três moedas felizes. Estas moedas, porém, eram mágicas e tinha escrito em seus lados a seguinte frase: “rainha das noivas”.
Então, sem saber do mistério perdido do Alaska perdido, nosso amigo continuou caminhando pelo lugar, que agora adquiria um aspecto frio e escuro. E no meio do caminho, um senhor não muito velho passava pelo local do crime, e questionou nosso amigo menino:
- Você é aquele Menino chamado menino? – perguntou o sujeito, após ter tropeçado numa lagarta que após virou borboleta.
- Claro, seu carroceiro! - respondeu nosso amigo menino.
- Então, você carrega três moedas no bolso da calça.
- Como tu sabes? – perguntou nosso amigo, após tropeçar na mesma lagarta, que acabara de virar borboleta.
- É que lá onde eu moro, as baratas falantes comunicaram à população que você visitaria nosso povoado em 2486.
- As baratas falantes?
- É. São alunas do mestre Klun-Pling Anonymus, o morto.
- Sim, é este que eu procuro.
- Ele morreu.
- De que?
- Fome.
- E não comia por quê?
- Pois não tinha estomago suficiente.
Após esta conversa, no meio da floresta Arida do Alaska, Jack Mountains, um orangotango alado, aparece e rapta o meio-velho.
Sem tempo, nosso amigo sobe o pico mais alto em busca de respostas concretas.
Lugar onde nosso amigo menino foi encontrado pelo meio-velho, onde antigamente existia neve, naquele momento reinavam desertos carboníferos.

Share this:

SOBRE O AUTOR

Paulo Matheus Souza de Souza nasceu em 1989, na cidade Porto Alegre. É engenheiro civil e trabalha com pesquisa na área. Começou a escrever cedo, junto com os irmãos, primos e amigos. Juntos, eles fundaram uma “editora”, chamada Scott, onde o que mais faziam basicamente histórias em quadrinhos. Com o tempo, o autor passou a escrever histórias mais longas, algumas até hoje inacabadas. Em 2008 começou a escrever contos e crônicas neste blog pessoal.

0 comentários: