Gaza

No quadro: elas são plantas, mas não da mesma espécie. Precisam de terras diferentes para se criarem. Motivo de briga? Não. Se um dia pensassem ou falassem, diriam: "Entre ser animal, vegetal ou algo inanimado, seria melhor termos sido inanimados; sendo animais nos mataríamos facilmente, sendo vegetais seríamos destruídos pelos animais, mas inanimados não sentiríamos nada, de fato".
Na vida real: o que seria diferente? As plantas não falam como no quadro? As pessoas é que falam em demasia??
Pensando bem, se as plantas falassem em todas as partes do mundo seriam todas a favor de quem esta Era se acabe junto com tudo que converge ao mal.
(O que esse cara quer dizer? Que confiemos nas plantas???).
O que eu quero dizer, parênteses, é que existem diversos pontos de vistas que poderiam ser observados antes de se iniciar qualquer desavença. Por que não analisar o ponto de vista das crianças? O que elas achariam de um conflito armado? Seria legal a morte?
Mas eles são crescidinhos. Sabem o que fazem. Ou ouvem quem acha que sabe...
Ai vem a frase de hoje:
“A regra de ouro da conduta é a tolerância mútua, porque nunca pensamos todos da mesma forma e sempre veremos só uma parte da verdade sob diferentes ângulos.”
Ghandi
(Tirando a frase, esse cara só disse coisas óbvias em sua vida!)

Foi o parênteses!!!

Share this:

SOBRE O AUTOR

Paulo Matheus Souza de Souza nasceu em 1989, na cidade Porto Alegre. É engenheiro civil e trabalha com pesquisa na área. Começou a escrever cedo, junto com os irmãos, primos e amigos. Juntos, eles fundaram uma “editora”, chamada Scott, onde o que mais faziam basicamente histórias em quadrinhos. Com o tempo, o autor passou a escrever histórias mais longas, algumas até hoje inacabadas. Em 2008 começou a escrever contos e crônicas neste blog pessoal.

0 comentários: