Michael ontem, hoje, dia 25/06, e...


Acabei de saber que o ídolo pop Michael Jackson está morto. Teve uma parada cardíaca, após ser levado ao hospital, entrou em um coma do qual não sairia, até falecer. Mas por que ídolo? Quem foi Michael, além de dançarino e cantor, um dos maiores e mais queridos pelo mundo?

Ele foi ídolo por ter feito sucesso quando pequeno. Mas não foi uma Maísa, não foi uma descoberta da mídia. Ele se descobriu, por esforço e muitas vezes na obrigação. E não estava para fazer sucesso passageiro. Cresceu tanto de tamanho quanto na carreira. Separando do grupo Jacksons Five, onde começara, atingiu seu auge na carreira com Thriller, o albúm mais vendido na história, e continuará sendo com a tendência póstuma dos artistas. Ele foi o maior cantor pop considerado mesmo em vida.


Mas não ficou famoso somente pelo talento. Sua mudança no tom da pele, seus casos com crianças e acusações diversas, suas ações pouco convencionais, tornou-o uma pessoa totalmente influenciável pela mídia. Tão logo estaria com mais fãs jornalista do que mesmo fãs de suas músicas.

Os últimos dias foram cruéis. Morreu só, com sua doença e com shows marcados. Tinha tudo para voltar, menos o aval de Deus. Ele foi sem dúvida o máximo. Sua morte fará pessoas chorarem, pois muita coisa começou a partir de suas músicas, muita coisa mudou e hoje mudará também.

Hoje para ser pop e logo sair de cena é tão rápido quanto julgar tal talento como durável ou não; sendo assim, qualquer pessoa que queira fama, dispõe dos chamados '15 minutos' e a chance troca de mãos. É cruel, mas foram pessoas como Jackson que criou esse distinto jeito de sobreviver nas custas do povo.


A mais importante lição que tiro dessa partida é a seguinte: se Jackson queria ou não partir, não lhe cabia escolher. Ele já tinha conquistado tudo, perdeu o que tinha, e agora perdeu tudo mesmo, tanto é que morto, não terá nada do que conquistou. Seus pertences serão leiloados, cada um terá em casa uma lembrança do astro, e nada mais. O seu legado permanece, seu estilo também. Mas nada além disso.

Não pretendo que meu legado acabe aqui. Prefiro ainda lembrar de um outro legado, de quem morreu há muitos anos, com má fama, acusado de ter profanado a Lei. Morreu com poucos fãs e sem pertences para deixar. Mas seu legado continua até hoje, não seus pertences ou uma lembrança de VH1, mas com suas palavras que permanecem. Muito mais do que isso, fãs de Michael dirão que ele está vivo nos seus corações, mas posso afirmar que Jesus está vivo literalmente. A fé ultrapassou 2000 anos, e continua a mesma hoje. Ele é um 'astro' atencioso com seus fãs, ainda hoje. Ele é o único a quem eu posso dizer: Sou amigo do maior de todos que já viveram, o mais querido. Michael foi. Jesus sempre foi e sempre será.

do Jesus Freak, PMSS

Share this:

SOBRE O AUTOR

Paulo Matheus Souza de Souza nasceu em 1989, na cidade Porto Alegre. É engenheiro civil e trabalha com pesquisa na área. Começou a escrever cedo, junto com os irmãos, primos e amigos. Juntos, eles fundaram uma “editora”, chamada Scott, onde o que mais faziam basicamente histórias em quadrinhos. Com o tempo, o autor passou a escrever histórias mais longas, algumas até hoje inacabadas. Em 2008 começou a escrever contos e crônicas neste blog pessoal.

4 comentários:

Éder Almeida disse...

Ótimo post !
Sem palavras.

Rakel disse...

Que horror que ele morreu...Ele influenciou uma geração deo pessoas de todas as faixas etárias..

Rakel disse...

A fé ultrapassou 2000 anos, e continua a mesma hoje. Ele é um 'astro' atencioso com seus fãs, ainda hoje. Ele é o único a quem eu posso dizer: Sou amigo do maior de todos que já viveram, o mais querido. Michael foi. Jesus sempre foi e sempre. Concordo plenamente Matt..

Paulo Matheus S. S. disse...

valeu os coments ^^