Começo


E se o mundo tivesse mesmo um fim hoje?



Daria para pensar como teriamos deixado nossa situação familiar.  Busca pelo melhor ambiente ou aquele problema não resolvido, mágoa não tratada, alguma conquista adiada, alguma palavra que se deixou de dizer...

Também, como estaria o nosso corpo. Saúde bem cuidada ou descuido com comida, bebida, falta de sono, correria sem fim...

Pensar em como deixariamos nossos amigos. Sem uma ligação há seculos, sem um abraço há dias, sem um contato para dizer oi, algum ressentimento ou sensação de algo que deveria ter sido feito, e não foi.

O trabalho, a carreira. A decisão não tomada. Os projetos, os sonhos. O passo que não foi dado. A mudança nunca feita.

E também o coração, a vida de fé, a proximidade com Deus.

E se o mundo tivesse mesmo um fim hoje?

O apocalipse mais uma vez previsto, como era de se esperar, não aconteceu. Somente Deus sabe o dia e a hora. Mas o nosso mundo pode acabar a qualquer momento. Para muitos, inclusive, acabou hoje, basta olharmos o obituário. Trata-se do momento da morte, de encerrar a vida neste mundo.

Se estamos lendo este texto, é sinal que o nosso fim ainda não chegou. Por isso, permanecem vivas também nossas chances de recomeçar o que se perdeu. Refazer o que se quebrou. Retomar o que estava esquecido. Perdoar, compreender, fazer de novo.Tentar. Relacionar-se. Amar, viver, aprender.

Sempre podemos dirigir o olhar para o começo, para a manjedoura, para o menino que veio nos dar nova vida. Novo começo, pela fé. Um começo sem fim. Uma vez que o fim pode ser a qualquer momento, podemos fazer de hoje o dia de não deixar a vida simplesmente nos levar, mas vivermos a vida com fé em Jesus Cristo, sob a perspectiva de quem sabe que cada dia é um começo, um recomeço, uma oportunidade de viver.

E também dia de de manter tudo aquilo que não precisa de recomeço, ou seja, manter o que não se deve mudar e investir naquilo que está bem, para que permaneça firme, constante, cotidiano.

Até o fim.


Pastor Lucas,

Share this:

SOBRE O AUTOR

Paulo Matheus Souza de Souza nasceu em 1989, na cidade Porto Alegre. É engenheiro civil e trabalha com pesquisa na área. Começou a escrever cedo, junto com os irmãos, primos e amigos. Juntos, eles fundaram uma “editora”, chamada Scott, onde o que mais faziam basicamente histórias em quadrinhos. Com o tempo, o autor passou a escrever histórias mais longas, algumas até hoje inacabadas. Em 2008 começou a escrever contos e crônicas neste blog pessoal.

0 comentários: