Crianças órfãs alcançadas pelo Evangelho através de fantoches


Desde dia 23 e até dia 30 de Julho, está a decorrer o 6º Festival Anual de Fantoches num acampamento fora de Zaporozhye, Ucrânia. O local do acampamento, outrora acampamento de jovens comunistas, é agora pertença de uma das igrejas em Zaporozhye.
De acordo com os
Ministérios Russos 31 equipas do ministério de fantoches, representando cerca de 300 pessoas, deslocaram-se para ali, oriundas da Ucrânia, Rússia, Estónia, Bielo-Rússia e Azerbeijão, para participar no festival.
O Ministérios Russo diz que no festival, jovens da Próxima Geração Cristã desfrutam de comunhão, trocam recursos e ideias, e tornam-se melhor equipados para comunicarem o Evangelho através deste evento criativo.
Ao longo do ano, as equipas de fantoches do Ministérios Russo apresentam espectáculos de fantoches numa variedade de locais: acampamentos de Verão evangelísticos, festivais de rua, orfanatos, hospitais de crianças, programas de férias e igrejas. O ministérios Russo estima que 220.000 crianças e seus tutores sejam alcançados, todos os anos, pelo Evangelho.
Ultrapassando a cultura Muçulmana em Orfanatos
Mesmo apesar dos Cristãos em Kabardino-Balkaria viverem numa região dominada por Muçulmanos no Norte do Cáucaso, têm estabelecido uma boa relação de trabalho com um orfanato local. O director do orfanato é Muçulmano e muitas das crianças são oriundas de ambientes Muçulmanos.
Mas isto não tem impedido esta equipa da Próxima Geração Cristã de glorificar a Deus através do seu ministério de fantoches.
Como observa uma membro da equipa de fantoches, “As crianças observam com avidez os nossos espectáculos e até participam connosco quando encenamos novas histórias.”

Ela continua a explicar, dizendo que as crianças no orfanato perderam ambos os seus pais ou tratam-se de órfãos “sociais”, cujos pais perderam o seu direito paternal devido ao alcoolismo, ou outros problemas sérios.
“A minha própria família teve uma oportunidade de convidar uma das crianças para ficar connosco uns dias. Ela chama-se Anya e é muito doce e pouco conversadora,” diz esta obreira nacional.
Contudo, Anya deixou transparecer um pouco de como era a sua vida em casa quando um vizinho, embriagado, começou a conversar com a membro da equipa de fantoches e Anya.
“Ela escondeu-se logo atrás de mim, abraçando as minhas pernas,” descreve a obreira do Ministérios Russo. “Pela sua reacção, vi que Anya vinha de uma família de alcoólicos que muitas vezes a maltratou quando estavam embriagados. Logo que o meu vizinho se foi embora, ela voltou ao seu semblante alegre normal.”
Um Pai para os órfãos
Estes jovens líderes Cristãos nacionais têm descoberto que apesar do orfanato facultar às crianças comida, vestuário e até entretenimento, estas ainda têm uma tremenda necessidade de amor e carinho.
"Nós manifestamos-lhes muito afecto quando as visitamos,” explica um obreiro nacional. “Nós dizemos-lhes repetidamente que elas não estão sós, que têm um Pai Celestial que as ama muito mais do que quaisquer pais terrenos conseguiriam.”
A equipa do ministério de fantoches procura visitar o orfanato pelo menos uma, duas vezes por mês, mas mesmo isso não parece tempo suficiente para falar às crianças das maravilhas do amor de Deus e do Seu cuidado pelos órfãos.
“Uma vez, quando fizemos uma apresentação para as crianças sobre a Páscoa, ficámos electrizados com os comentários que as crianças fizeram sobre a crucificação de Cristo ao longo do espectáculo. Esperamos que as crianças não apenas conheçam as histórias da Bíblia através das peças teatrais dos fantoches, mas que também comecem a viver a Palavra de Deus,” explicou um jovem da Próxima Geração Cristã.

Share this:

SOBRE O AUTOR

Paulo Matheus Souza de Souza nasceu em 1989, na cidade Porto Alegre. É engenheiro civil e trabalha com pesquisa na área. Começou a escrever cedo, junto com os irmãos, primos e amigos. Juntos, eles fundaram uma “editora”, chamada Scott, onde o que mais faziam basicamente histórias em quadrinhos. Com o tempo, o autor passou a escrever histórias mais longas, algumas até hoje inacabadas. Em 2008 começou a escrever contos e crônicas neste blog pessoal.

0 comentários: