Vida Designer


Quando jogamos aquele jogo 'The Sims', onde somos o arbítrio de pessoas, atendendo as suas necessidades diárias, estamos apenas nos divertindo. Isso por quê realmente apenas nós mesmos sabemos as nossas necessidades, tanto físico quanto mental.

No jogo criamos um ambiente de nosso gosto, com o que achamos que os personagens vão se adequar, criamos suas fontes de energia, higiene, lazer e também seus próprios relacionamentos. Quem diria, podemos fazer com que se casem com pessoas que nós gostamos, não eles!

Isso já não funciona na vida real. Até por que se eu quiser ficar o dia todo no computador sem comer nem beber eu posso. Isso vai me prejudicar, com certeza fisicamente, mas tenho a liberdade de fazer isso por exemplo. No jogo, os 'Sim's' já começam a reclamar de fome, higiene e sei lá o que mais.

O que fica bem claro pra mim naquele jogo é que não importa o tempo que se jogue, sua tarefa é cuidar para que tudo dê certo e que todos os gostos e necessidades sejam atendidas, sabendo-se assim que é uma tarefa difícil em se tratando de vida real.

Imagine agora a tarefa de Deus.

Deus nos criou, assim como no jogo. Mas Ele criou um sistema muito inteligente, que nos dá permissão de criar nossos próprios caminhos. E isso acontece há muito tempo, desde quando não tinhamos lá muitas facilidades, e tivemos que aprender aos poucos o valor de cada coisa. Isso se chama evolução, que de fato aconteceu, e como nunca, isso até meados do século XIX, quando surgiu Darwin. Dai por diante, o raciocínio se tornou um pouco confuso, seguindo tendências exóticas para nós (macaquismo liberal). Resumindo meu pensamento: a nossa evolução foi puramente mental, contribuindo para muitos fins, muitos até infundados.

Continuando, Deus não nos controla. Apenas pede para que olhemos para Ele, pois Ele nos criou, Ele sabe onde está nosso defeito, sabe do que precisamos. Sua tarefa é ainda mais complicada que no jogo, pois convencer quem não quer é uma tarefa quase impossível. Muitas vezes, em deslizes, clamamos por quem nos criou. E na hora boa, de fato, nem lembramos desse 'detalhe'.

Somos devedores eternos. Como eu já tinha comentado em outra postagem, se fossemos robôs, não poderíamos pensar. Mas com o livre arbítrio, temos essa vantagem. Então por quê O negamos? Nesses casos, a parábola do filho pródigo é uma boa dica de leitura.

Então vamos repetir aquele aceno que os sims fazem para quem está administrando tudo, mas seja em horas boas ou ruins.

;)



PMSS



Salmo 121, 1 e 2:
Levantarei os meus olhos para os montes, de onde vem o meu socorro.
O meu socorro vem do SENHOR que fez o céu e a terra.


20/03/09

Share this:

SOBRE O AUTOR

Paulo Matheus Souza de Souza nasceu em 1989, na cidade Porto Alegre. É engenheiro civil e trabalha com pesquisa na área. Começou a escrever cedo, junto com os irmãos, primos e amigos. Juntos, eles fundaram uma “editora”, chamada Scott, onde o que mais faziam basicamente histórias em quadrinhos. Com o tempo, o autor passou a escrever histórias mais longas, algumas até hoje inacabadas. Em 2008 começou a escrever contos e crônicas neste blog pessoal.

0 comentários: