GOLIAS LISBOA #2 : Quando a tia Gorgonzolina atropelou seu ornitorrinco de extimação


Isso se passou lá na grota, na zona rural da cidade satélite de Lambari do Oeste, que era considerada "desenvolvida". Para se ter uma ideia, "Eu reconheço que sou um grosso", do Gildo de Freitas, era a mais tocada de todas as rádios de lá - que no caso só havia uma, a rádio Grosseria - incessantemente, tanto que era o hino oficial daquele valão. A tia em questão (Gorgonzolina, mas apelidada de Lina) estava bastante confusa. Sua TV com bombril na antena funcionava que era uma maravilha - ela usava como rádio.

Aristides (tio e esposo da tia, a quem chamavam de Tritongo) não aguentava ficar em casa. Estava um calorão. Fazia 40°C na sombra, e no sol, 80ºC. Ele pegava seu jipe adaptado - ele usava um chassi de fusca e rodas de trator - e saía campos a fora pra bater um ventinho no sovaco. Numa dessas saídas, conseguiu apanhar cerca de 200 bergamotas de uma chácara de japonês, "emprestado". Ao retornar, viu sua esposa Lina na beira da estrada, carregando as sacolas do mercado e um botijão de 18 litros, em meio a poeira danada:

- Pra pegar bergamota tu sai de carro, não é seu imprestável?! - disse ela, raivosa.

Ao que o tio, mais omisso que o Governo, sentou no carona e deixou a tia guiar. Lá pelas tantas, eles passam por um quebra-molas - que na cidade era feito com sobras da lavagem do porco -, mas nada de mais. No terceiro, sem reparar, a tia passou batido. Não deu aquela "freadinha" antes. Os dois bateram a cuca no teto do fusquinha. "Humpf", pensou o tio. A tia freou:

- Tá resmungando é?!

Ela saiu do carro e puxou o tio pra fora. Deu-lhe uma camaçada de chineladas nas pernas. Ele levava na esportiva; ou eram os chinelos ou a casinha do cachorro...

Logo após a "lição" do Tritongo, eis que os dois olham para trás. Lá estava o terceiro quebra-molas, que na verdade não era bem isso. Epitáfio, o ornitorrinco da tia, estava lá, desfalecido, mais parado que fila do banco. A tia desmaiou. Mas caiu em cima do tio, que desmaiou também - porém, devido ao impacto. Ao acordarem, não viram mais nada. 

Desesperada, a tia Lina pegou o fuca e foi pra casa. Mas lá já estava o ornitorrinco, apenas com ferimentos leves. Ela estava feliz novamente. E o tio, à 40 Km dali.

***

"Não alimente o sonho de quem alimenta o Freddy Krueger".
Dom João VI, durante visita ao Brasil em 1808, se referindo à falta de uma unidade do Burguer King na colônia.


___
Cavid Doimbra escreve (quando dá na telha) sempre sobre Literatura Infantil, Gastronomia e Morte do Papa.

Via Diário Chinelo 



Share this:

SOBRE O AUTOR

Paulo Matheus Souza de Souza nasceu em 1989, na cidade Porto Alegre. É engenheiro civil e trabalha com pesquisa na área. Começou a escrever cedo, junto com os irmãos, primos e amigos. Juntos, eles fundaram uma “editora”, chamada Scott, onde o que mais faziam basicamente histórias em quadrinhos. Com o tempo, o autor passou a escrever histórias mais longas, algumas até hoje inacabadas. Em 2008 começou a escrever contos e crônicas neste blog pessoal.

0 comentários: