Perspectivas

Não vou contar nenhuma história, mas pela foto acima bem que seria legal...
Bem, hoje vou falar sobre perspectiva. O que é isso? Muitas pessoas chegam na beira do abismo e se perguntam: o que eu faço? Nesse abismo, entretanto, existem diversas pontes. Mas você nunca chegou nessa parte da trilha; qualquer ponte pode fazer você cair, assim como qualquer uma delas pode apenas ser uma parte do caminho. Isso, literalmente, seria como o saber qual delas o construtor usou Jimo cupim. Ou, ao menos, ter uma noção de qual delas for a melhor. Escolher qual o melhor caminho.
Para isso, existe a audição (Darwin explicaria melhor...). Para tanto, o que absorvemos pode ser eliminado, conforme nosso processo de seleção natural (Darwin de novo - não fique se perguntando o porquê de estar citando Darwin toda hora; afinal, o velho está completando 200 anos! Parabéns!?). E, sendo assim, o que retemos de informações pode nos encaminhar para a ponte certa. E saber de onde elas vêm pode nos dar atalhos. E escolher, quando já souber a resposta certa, eliminando qualquer medo, sim, estaremos do outro lado. E não tenha dúvidas que o outro lado é bem melhor, pior seria ficar enroscado na ponte a cair no abismo.
Bom, vou tentar exemplificar:
Fred, um cara de 18 anos, tem pela frente uma difícil decisão: faz medicina e fica confinado boa parte de sua vida a estudar o máximo que pode (cerca de 10 anos; fonte: eu mesmo), e sem esquecer, com o total apoio dos pais. Ou então continua com seu talento inestimável de lidar com seus dons musicais, pois adora tocar reco-reco. Bom... pode ser que tocar o instrumento seja a opção menos válida. Isso é claro, sem contar com o que Fred gosta mais de fazer. Não adianta escalar um médico que faz sua profissão por obrigação. Ao contrário de Philip, que adora medicina, mas a família quer que ele toque reco-reco para sobreviver...
Uma decisão influenciada pode não dar certo. Ela tem que ser pura. O que pode ser influenciado na verdade são as opções. Mas nada pode ser ignorado. Não se pode dizer que se vai ser bem sucedido em algo só por que acha isso, individualmente. É como, por exemplo, uma pessoa acreditar que pode voar. Darwin disse que pode? Então?!

Brincadeiras a parte...

Vamos avançar: se você tem as opções, tem os gostos, sabe de suas necessidades, o que falta para tomar a decisão? As perspectivas podem estar formadas, o que falta mesmo é uma direção. E essa direção não cai do céu - ou seja, Ivete está enganada -, ela precisa ser acionada. E o acionamento é bem simples, e já disse anteriormente: está no manual, a Bíblia. Tem preguiça de ler? Não tem problema, a princípio: o SAC (Serviço de Atendimento ao Cristão) pode ajudá-lo. Basta lembrar daquela canção de escolhinha dominical:

O telefone do céu, é a oração, o telefone do céu, é o joelho no chão!

E se isso não funcionar, mande um email. Iremos analisar seu caso com cuidado.

:)

Att:

PMSS


Share this:

SOBRE O AUTOR

Paulo Matheus Souza de Souza nasceu em 1989, na cidade Porto Alegre. É engenheiro civil e trabalha com pesquisa na área. Começou a escrever cedo, junto com os irmãos, primos e amigos. Juntos, eles fundaram uma “editora”, chamada Scott, onde o que mais faziam basicamente histórias em quadrinhos. Com o tempo, o autor passou a escrever histórias mais longas, algumas até hoje inacabadas. Em 2008 começou a escrever contos e crônicas neste blog pessoal.

0 comentários: