Uma paz incoveniente


Hillary mergulha no processo de paz entre Israel e Palestina (O Globo)

Obama envia mensagem ao Irã propondo um "novo começo" (Follha Online)



Parecem ser temas corriqueiros as tentativas de paz no oriente médio. Para tornar um pouco mais dificil a tarefa de Obama, ainda há a super crise atual, que só não é pior que a de 1929. A pergunta que faço é a seguinte: se Obama conseguir driblar tudo isso, o que vai haver depois?

Mas como assim depois? O que interessa é agora!

Um detalhe nisso tudo é que Obama foi escolhido para ser a solução, ou como ele mesmo diz, a mudança. Bem, aconteceu que a vitória de Obama apenas iniciaria a caminhada pelo positivismo nos EUA. Esse tipo de política assusta. Detalhes que normalmente não interessam em processos de paz são os temas polêmicos, como o aborto e homossexualismo. Obama se disse a favor deles no início. Em sua posse, contratou um pastor evangélico, contrário a tudo isso. Logo voltou atrás.

Partindo daí, pode-se ter certeza que, tão logo, Obama resolva o problema da crise e, talvez seja a mais difícil, estabeleça a paz no oriente médio, será um motivo para a desconfiança cristã. Podemos entender que aquele que estabelecer a paz entre os povos na terra santa, sim, este será o anti-cristo. Não haverá dúvida.

Agora pode-se pensar: mas então os cristão devem ser pessimistas? Devem pensar que as guerras tem que continuar e que a Terra se exploda? Na verdade é muito complicado mesmo. Pensar que quando vier a paz é que se pode desconfiar, e quando há guerra, que se cale, é um modo estranho de agir. Os cristãos pensam da seguinte maneira: a paz na Terra é falsa. O anti-cristo iria aparecer num momento como este, de conflitos e iria estabelecer a paz.

Não se pode dizer que Obama é o anti-cristo. Muitas vezes na história se disse que o anti-cristo era tal pessoa, e sempre erroneamente. Não se pode julgar. Mas deve-se, mais do que em outras épocas, vigiar. Atenção especial com estes acontecimentos não é nada de mais. É o necessário para não se enganar facilmente.

Em certos momentos, a esperança pode ser de algo que não queremos.

PMSS

Share this:

SOBRE O AUTOR

Paulo Matheus Souza de Souza nasceu em 1989, na cidade Porto Alegre. É engenheiro civil e trabalha com pesquisa na área. Começou a escrever cedo, junto com os irmãos, primos e amigos. Juntos, eles fundaram uma “editora”, chamada Scott, onde o que mais faziam basicamente histórias em quadrinhos. Com o tempo, o autor passou a escrever histórias mais longas, algumas até hoje inacabadas. Em 2008 começou a escrever contos e crônicas neste blog pessoal.

0 comentários: