Oficina G3 @ Casa do Gaúcho_04_02_2012_

Ainda estou com o zumbido no ouvido. É, a noite foi barulhenta!

Onde? Na Casa do Gaúcho/Porto Alegre, que ultimamente tem recebidos diversos shows nacionais e internacionais (um bom exemplo para o seguimento foi a banda P.O.D.). Mas que show?

Trata-se de um festival de bandas gospeis, organizado pela Igreja e Rádio Sara Nossa Terra, a exemplo do evento 'Festival de Novidades Gospeis', ocorrido em dezembro do ano passado, com show principal de Rodolfo Abrantes.

Um show havia sido cancelado no mês passado, dia 28, com a não participação do PG. Desta vez, o show principal era do Oficina G3. Confesso que já fui fã da banda há alguns anos atrás, e durante o show eu conferi nas músicas do meu celular se ainda havia alguma... Sim, estavam lá, as guerreiras 'Davi', 'Indiferença' e 'Espelhos Mágicos', músicas que marcaram época para mim - eu conheci Oficina quando a pouco tinham lançado o cd 'Indiferença', meu amigo colocou o som no carro, no pátio da 1ªIPPA,  a música era 'Profecias'. Haha! Tomei um susto com o som alto e aquela introdução calma!

Desde então, curti quando o PG entrou na banda, e digamos que até o álbum que 'Além do que os olhos podem ver'. Depois, desisti. Não me perguntem, talvez pelo som, as guitarras já estavam 'pesando' nos meus gostos, que agora estão mais calmos...

O festival começou com a banda b.salt, do guitarrista Lucas Hertz, que por sinal me convidou para o evento (que fiquei sabendo meio que em cima do laço!). Digamos, realmente fui lá apoiar a banda dele! E mandaram bem! Após vieram outras bandas, que concorriam no festival - a banda do Lucas é fixa, ainda vou entender isso.

E por fim, Juninho Afram. Ele apareceu fazendo seus solos típicos, que o colocam no Tagima Dream Team com louvor. Pra mim, ainda o melhor guitarrista do Brasil. 

Momento em que o vocalista Mauro Henrique fala sobre sua mulher, que está com câncer. / Foto: Twitter

A banda tocou várias antigas, e fez o público vibrar. Ah, sobre o público, era uma gurizada! A grande e maciça maioria de jovens que talvez nem tenham acompanhado grande parte da banda, e convenhamos, cantavam sem errar a letra do álbum mais recente, 'Depois da Guerra', que fiquei devendo.


Mas tocaram algumas que fizeram a noite valer a pena, como a clássica 'O tempo', e as que reconheci: 'Onde está', 'Além do que os olhos podem ver', 'Humanos', 'Te escolhi', 'Até quando?', 'Perfeito amor', e por último, a mais pedida, 'Espelhos Mágicos'.

Bom, acho que era isso. Quem estava, gostou. Fez-me renascer em mim um fã antigo? Negativo! Haha! Mas valeu por encontrar essa banda que, sem dúvida, tem uma grande importância no cenário cristão. 


o//

PMSS

Share this:

SOBRE O AUTOR

Paulo Matheus Souza de Souza nasceu em 1989, na cidade Porto Alegre. É engenheiro civil e trabalha com pesquisa na área. Começou a escrever cedo, junto com os irmãos, primos e amigos. Juntos, eles fundaram uma “editora”, chamada Scott, onde o que mais faziam basicamente histórias em quadrinhos. Com o tempo, o autor passou a escrever histórias mais longas, algumas até hoje inacabadas. Em 2008 começou a escrever contos e crônicas neste blog pessoal.

0 comentários: